238

242

Conversando com as crianças sobre o câncer

É natural querer proteger uma criança e seus irmãos sobre um diagnóstico de câncer. No entanto, para a maioria das crianças, as visitas e os exames regulares do hospital, a falta de aulas e de outras atividades irão alertá-las para o fato de que algo está errado. A maioria das crianças percebe os sentimentos dos seus pais. Como elas reagem a notícias perturbadoras, muitas vezes, depende de como os pais estão lidando com isso.

Recomendamos ser aberto e honesto com os jovens sobre um diagnóstico de câncer. Informações confiáveis e adequadas à idade podem ajudá-los a entender e lidar com as mudanças.No entanto, uma discussão honesta pode ser muito difícil, particularmente ao tentar lidar com o diagnóstico por conta própria. 

Se possível, ambos os pais devem conversar com a criança. Dessa forma, eles podem apoiar uns aos outros. É importante não sobrecarregar as crianças com informações. Durante toda a conversa, esclareça que a criança entende o que está sendo dito. Certifique-se de que todas as pessoas importantes na vida da criança saibam o que foi dito. Seja consistente e honesto. É importante não prometer a uma criança algo que os adultos não possam ter certeza. 

Deixar as crianças saberem como os adultos estão se sentindo pode permitir que elas expressem seus próprios sentimentos com mais facilidade. Tranquilize as crianças de que o que elas estão sentindo é normal e que elas terão apoio durante todo o processo. 

A quantidade de informação que você compartilha com seu filho dependerá da sua idade e da maturidade. Mantenha as suas explicações iniciais simples e interprete a reação do seu filho para saber se querem saber mais. A primeira conversa será seguida por muitas outras, então você terá a oportunidade de dar mais detalhes conforme surgir necessidade.

O oncologista pediátrico, o consultor clínico de enfermagem e o assistente social do hospital do seu filho poderão dar mais orientações e ajudá-lo nessas discussões

Lembre-se de que a equipe do hospital do seu filho também está presente para ajudar a família. O assistente social pode informar quais serviços de apoio estão disponíveis, especialmente se você precisar viajar longas distâncias para tratamento.

Tanto quanto possível, inclua seu filho em discussões sobre seu tratamento e recuperação, e incentive-o a fazer perguntas. Crianças e adolescentes mais velhos podem querer procurar informações por conta própria.

ESTE ARTIGO TE AJUDOU?